Canela



A cidade tem cerca de 38.000 habitantes, mais do que a população de Gramado, a vizinha famosa. Ambas compartilham as baixas temperaturas (em qualquer época do ano), o colorido das hortênsias, azaléias e plátanos e as formas grandiosas de pinheiros e araucárias. Como a distância é pequena, de apenas sete quilômetros, os visitantes de uma cidade conhecem as atrações da outra e vice-versa. E ficar hospedado em Canela pode sair mais em conta.

A Catedral de Pedra é um dos símbolos de Canela. Seus contornos pontudos são avistados de vários cantos e ao longo de toda a avenida Osvaldo Aranha, onde se alinham lojas de roupas, de chocolates, de bonecos, e também cafés, restaurantes, sorveterias. No meio do caminho está a Praça João Corrêa, homenagem ao coronel que esteve à frente da construção da primeira estrada de ferro da região, concluída em 1925.

A Praça João Corrêa também serve de cenário para outro símbolo querido desta cidade gaúcha, o Festival Internacional de Teatro de Bonecos, no mês de junho. O evento já tem a experiência de 21 edições. As crianças deliram no tradicional desfile de bonecos e bonequeiros, do país e do exterior, pela avenida principal. Elas interagem, acabam desfilando junto. Em três teatros, há espetáculos para público adulto e infantil.

Mais recentemente, o Alpen Park tem atraído multidões de turistas e moradores com a adrenalina resultante de seus equipamentos. O trajeto (ainda que rápido) do trenó tem curvas e descidas de arrepiar. Na sala de cinema 4-D, inaugurado em janeiro de 2009, os efeitos especiais fazem a plateia gritar. E a paisagem exuberante do entorno se deixa conhecer em passeios de quadriciclo desbravando terrenos acidentados ou na vertigem das atividades de rapel, arvorismo, tirolesa, bungee-trampolim e escalada.

Quem prefere curtir as férias sem capacete ou taquicardia encontra sempre ótimos mirantes e lanchonetes no Alpen Park e também no Parque do Caracol, o mais antigo, e no Parque da Ferradura, o mais rústico. Na estrada de terra que liga o Parque do Caracol ao Parque da Ferradura foram erguidas pelos moradores, ao longo das décadas, dezenas de pequenas capelas dedicadas a santos e santas da tradição católica. As cores das estátuas, velas e flores se destacam numa paisagem de vários tons de verde. São cerca de seis quilômetros de trajeto sinuoso na zona rural: serve de peregrinação.

As atrações ao ar livre, a gastronomia e as compras concentram grande parte da programação de férias em Canela. Como em Gramado, os museus são poucos e de acervos modestos. Na Casa de Pedra, no centro, funciona a única sala de cinema da cidade, com sessões somente nos finais de semana. Nos meses de festivais como o de bonecos e o Sonho de Natal, de novembro a janeiro, a agenda cultural cresce com dezenas de espetáculos de teatro e música.

Distante 141 km de Porto Alegre, Canela tem longo histórico como polo de veraneio, mesmo antes de virar município, em 1944. O Grande Hotel, por exemplo, foi inaugurado em 1916. Na época, as famílias abastadas da capital gaúcha prolongavam a estada por semanas nesta região de colonização europeia. Até hoje, moradores de Porto Alegre e Região Metropolitana movimentam o mercado imobiliário escolhendo a tranquila e refrigerada Canela para casas e apartamentos de veraneio.

O cardápio de hospedagens é diversificado. Na chamada Rota Romântica do Estado, hotéis e pousadas mais sofisticados destacam, em geral, os pacotes para luas-de-mel. Estruturas maiores contam com piscinas aquecidas, praças para as crianças, lagos com peixes e aves, trilhas privativas em bosques. As pousadas pequenas oferecem confortáveis salas de convivência, com lareira, e aquele presente impagável que é o cheiro de bolo e biscoito saindo do forno, porque a cozinha fica a poucos passos da recepção.

Em qualquer época do ano é importante levar calçados e roupas quentes para Canela, ou recursos para adquiri-los – lojas não faltam. A temperatura costuma cair à noite, e os invernos reservam manhãs e tardes congelantes. Em 2009, cidades gaúchas registraram temperaturas em torno de 0ºC ainda em maio, no outono. Lençol térmico e estufa devem ser confortos básicos na hospedagem escolhida.

Mesmo em viagens curtas, vale a pena reservar tempo para dois passeios nos arredores, a cerca de hora e meia de automóvel: Vale dos Vinhedos e Aparados da Serra. Dezenas de vinícolas podem ser visitadas em Bento Gonçalves, Flores da Cunha, Garibaldi, Caxias do Sul e Monte Belo do Sul, cidades com paisagens e arquiteturas diferenciadas. Nos parques nacionais de Cambará do Sul, que abrigam a maior concentração de cânions do relevo brasileiro, basta água mineral para sentir vertigem.